Militar dos EUA Queria Provocar Guerra Com Cuba - Olho Solitário
Navigation

Militar dos EUA Queria Provocar Guerra Com Cuba

Cuba, guerra, militar, comunismo, Estados Unidos, combate
O desejo de criar uma guerra entre cuba e o Estados Unidos talvez seja algo que já esteja entranhado nas mentes dos soldados por se tratar do eixo do mal como assim são julgados os países que não querem se americanizar. São taxados de terroristas e sofrem inúmeras sansões como é o caso de Cuba, tivemos recentemente um vídeo game que o jogador começa o game na pele de um soldado que apos sofrer uma lavagem cerebral ele inicia uma missão onde o objetivo central é de assassinar Fidel Castro o nome da missão Black ops (operações negras), com isso podemos usar este exemplo virtual como um incentivo a esta ação mesmo sendo um game a sua mensagem é bastante clara e evidente do que há nos corações e mentes de alguns soldados que de alguma forma sofrem lavagem cerebral igual a o que ocorre no jogo. Em Cuba o jogo foi visto como uma afronta ao líder cubano Fidel Castro. Questionar é preciso para que haja verdade.
No início de 1960, os principais líderes militares dos Estados Unidos teria elaborado planos para matar pessoas inocentes e cometer atos de terrorismo em cidades dos Estados Unidos para criar apoio público para uma guerra contra Cuba.

Sob o codinome de Operação Northwoods, os planos teriam incluído o possível assassinato de emigrados cubanos, afundando barcos de refugiados cubanos em alto-mar, sequestrar aviões, explodir um navio dos EUA, e até mesmo orquestrar terrorismo violento em cidades dos EUA.

Os planos foram desenvolvidos como maneiras de enganar o público americano e da comunidade internacional em apoiar uma guerra para derrubar o então novo líder de Cuba, comunista Fidel Castro.

Cúpula militar dos Estados Unidos ainda contemplado causando baixas militares dos Estados Unidos, escrevendo: "Nós podíamos explodir um navio dos EUA na Baía de Guantánamo e culpar Cuba", e, "listas de baixas nos jornais americanos provocariam uma onda de indignação nacional".

Os detalhes dos planos estão descritos na Body of Secrets (Doubleday), um novo livro de James Bamford repórter investigativo sobre a história da maior agência de espionagem dos Estados Unidos, a Agência de Segurança Nacional. No entanto, os planos não estavam ligados à agência, observa.

Os planos tiveram a aprovação por escrito de todos os Joint Chiefs of Staff e foram apresentados ao secretário de Defesa do presidente Kennedy, Robert McNamara, de Março de 1962. Mas eles aparentemente foram rejeitados pela liderança civil e ter ido não divulgado por quase 40 anos.

"Foram Joint Chiefs of Staff documentos. A razão estes foram mantidos em segredo por tanto tempo é Joint Chiefs nunca quis dar a estes, porque eles eram tão embaraçoso", disse Bamford ABCNEWS.com.

"O ponto central de uma democracia é ter líderes respondendo à vontade pública, e aqui é o reverso completo, os militares tentando enganar o povo americano a uma guerra que eles querem, mas que ninguém mais quer."

Armados para a guerra


Os documentos mostram "Joint Chiefs of Staff elaborou e aprovou planos para o que pode ser o plano mais corrupto jamais criado pelo governo dos EUA", escreve Bamford.

Os Joint Chiefs mesmo propôs usar a morte potencial de astronauta John Glenn durante a primeira tentativa de colocar um americano em órbita como um pretexto falso para a guerra com Cuba, como mostram os documentos.

Se o foguete explodir e matar Glenn, escreveram eles, "o objetivo é fornecer a prova irrevogável ... que a culpa é dos comunistas et all Cuba [sic]."

Os planos foram motivadas por um desejo intenso entre os líderes militares de alta patente para depor Castro, que tomou o poder em 1959 para tornar-se o primeiro líder comunista do hemisfério ocidental - apenas 90 km da costa dos EUA.

Quanto mais cedo Bay CIA-backed da invasão dos porcos de Cuba por exilados cubanos tinha sido um fracasso desastroso, no qual o militar não estava autorizado a fornecer armas de fogo para líderes militares agora queria um tiro nele.

"A coisa toda era tão bizarro", diz Bamford, observando que seria necessário o apoio público e internacional para uma invasão, mas aparentemente nem o público norte-americano, nem o público cubano, queria ver as tropas americanas desdobradas para expulsar Castro.

Refletindo isso, o plano dos EUA chamado para o estabelecimento militar prolongada - não democrática - controle sobre a ilha após a invasão.

"Isso é o que é suposto ser libertando-os", diz Bamford. "A única maneira que teria conseguido é fazendo exatamente o que os russos estavam fazendo todo o mundo, através da imposição de um governo pela tirania, basicamente o que nós estávamos acusando o próprio Castro de fazer."

Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!