USCIRF Relatório mostra países islâmicos são piores violadores da liberdade religiosa; 12 de maioria muçulmana Unidas no topo da lista - Olho Solitário
Navigation

USCIRF Relatório mostra países islâmicos são piores violadores da liberdade religiosa; 12 de maioria muçulmana Unidas no topo da lista

muçulmanos, cristãos, ISIS, intolerância, guerra, religião

Uma mulher prende um cartaz durante uma passeata e manifestação no leste de Londres, em 13 de dezembro de 2013. Eles estavam participando de uma manifestação organizada pela British islâmico Anjem Choudary condenando o uso de álcool e promover a lei sharia.

O relatório anual da Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional mostra que 12 das 17 nações com o pior registro de liberdade religiosa são países islâmicos ou de maioria muçulmana.

USCIRF, um órgão consultivo do governo federal independente, foi recomendado  que o Departamento de Estado adicionar mais oito nações e reter nove nações existentes à sua lista de "países de preocupação particular", ou CPCs, onde as violações particularmente severas da liberdade religiosa são perpetrados ou tolerados.

Dos oito novas adições à lista CPC, sete são nações islâmicas ou de maioria muçulmana: Central Africano República, Egito, Iraque, Nigéria, Paquistão, Síria e Tajiquistão. A outra nação é o Vietnã.

Dos nove nações USCIRF recomendadas devem permanecer CPCs, cinco são islâmica ou de maioria muçulmana: Irã, Arábia Saudita, Sudão, Turcomenistão e Uzbequistão.

Os outros quatro são a Birmânia, China, Eritréia e Coréia do Norte.

USCIRF também colocou 10 países em sua lista de "Tier 2", em que os governos se envolver ou tolerar violações que são de nível CPC grave, mas não. Destes seis são islâmicos ou de maioria muçulmana: Afeganistão, Azerbaijão, Indonésia, Cazaquistão, Malásia e Turquia.

Os outros quatro são: Cuba, Índia, Laos e Rússia.

USCIRF também destacou preocupações de liberdade religiosa em seis países que não cumprem CPC ou Nível 2 limiares, mas também deve ser o foco de preocupação. Destes, três são islâmicos ou de maioria muçulmana: Bahrain, Bangladesh e Quirguistão.

As outras três são a Bielorrússia, Chipre e Sri Lanka.

"Não passa um dia sem pelo menos um país a partir destas listas que aparecem na primeira página de um jornal de grande circulação. As crises humanitárias alimentados por ondas de terror, intimidação e violência ter engolido um número alarmante de países em relação ao ano passado", Cadeira USCIRF Katrina Lantos Swett disse em um comunicado.

"Com graves violações da liberdade religiosa que ocorre em todo o mundo, estes horrores falam sobre como e por que a liberdade religiosa e a proteção dos direitos das comunidades religiosas vulneráveis ​​assunto. Todas as nações devem se preocupar com os abusos além de suas fronteiras, não só por razões humanitárias, mas porque o que se passa em outros países raramente permanece lá. No longo prazo, há apenas um avalista permanente da segurança e sobrevivência dos perseguidos e vulnerável. É o reconhecimento pleno da liberdade religiosa. "

Em alguns dos da nação da Ásia Central, ex-nações soviéticas também perseguem os muçulmanos.

A tendência de perseguição islâmica e comunista de denominações religiosas, especialmente as minorias cristãs, continua, mas a intensidade dos ataques contra cristãos e outras pessoas aumentou.

O relatório assinala que os intervenientes não estatais, tais como organizações transnacionais ou locais, são alguns dos mais notórios violadores da liberdade religiosa, e menciona violência por parte dos grupos terroristas Estado Islâmico, também conhecida como ISIS ou ISIL, no Iraque e na Síria, e Boko Haram na Nigéria.

ISIS e Boko Haram mataram numerosos cristãos.

"ISIL desencadeou ondas de terror sobre Yazidis e cristãos, xiitas e sunitas, assim como outros que ousaram se opor seus pontos de vista extremistas", diz o relatório. "Na Nigéria, Boko Haram atacou ambos os muçulmanos e cristãos. A partir assassinatos em massa em igrejas e mesquitas para sequestros em massa de crianças de escolas, Boko Haram cortou um caminho largo de terror através de vastas áreas da Nigéria."

A administração Obama tem sido objecto de críticas severas por não reconhecerem e fazendo o suficiente para proteger os cristãos e outras minorias, em particular no Oriente Médio e África.

Fonte: http://www.christianpost.com/
Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!