Papa Francisco repreende bispos católicos sobre as suas atitudes em relação a gays e os divorciados - Olho Solitário
Navigation

Papa Francisco repreende bispos católicos sobre as suas atitudes em relação a gays e os divorciados

papa, apoio, lgbt, defende, direito, divorcio

Quem pertence à Igreja Católica? Depois de um sínodo de três semanas global sobre a vida familiar, que concluiu em Cidade do Vaticano sábado, bispos permaneceram divididos sobre esta questão aparentemente simples, terminando em um impasse sobre o papel do divorciados novamente casados, bem como os católicos homossexuais na igreja. No final do encontro, o Papa Francis criticou bispos para "enterrar [suas] cabeças na areia", entre outras coisas. Leia destaques de sua endereço abaixo:

Queridos, Beatitudes Eminências e Excelências, queridos irmãos e irmãs,

Gostaria em primeiro lugar de agradecer ao Senhor, que tem guiado o nosso processo sinodal nestes anos pelo seu Espírito Santo, cujo apoio nunca falta à igreja.

Enquanto eu seguia os trabalhos do Sínodo, eu me perguntei: O que isso significa para a Igreja a celebrar este Sínodo dedicado à família?

Certamente, o sínodo não era sobre a resolução de todas as questões que têm a ver com a família, mas sim tentar vê-los à luz do Evangelho e da tradição da Igreja e da história de 2.000 anos, trazendo a alegria da esperança, sem cair em um facile repetição do que é óbvia ou já foi dito.

Certamente não era sobre encontrar soluções exaustivos para todas as dificuldades e incertezas que desafiam e ameaçam a família, mas sim sobre vendo essas dificuldades e incertezas à luz da fé, estudar cuidadosamente-los e confrontá-los sem medo, sem enterrar nossas cabeças na areia.

Era sobre incita todos para apreciar a importância da instituição da família e do casamento entre um homem e uma mulher, com base em unidade e indissolubilidade, e valorizando-o como a base fundamental da sociedade e da vida humana.

Era sobre escutar e fazendo ouviu as vozes das famílias e pastores da igreja, que vieram a Roma tendo sobre os seus ombros o ônus e as esperanças, as riquezas e os desafios de famílias em todo o mundo.

Era sobre mostrando a vitalidade da Igreja Católica, que não tem medo de agitar consciências embotados ou para o solo as mãos com discussões animadas e francas sobre a família.

Era sobre a tentativa de visualizar e interpretar realidades, realidades de hoje, através dos olhos de Deus, de modo a acender a chama da fé e iluminar os corações das pessoas nos tempos marcados pelo desânimo, crise social, econômica e moral, e crescente pessimismo.

Foi também sobre a colocação corações fechados, que os corações fechados que freqüentemente se escondem por detrás dela os ensinamentos da Igreja ou boas intenções, a fim de se sentar na cadeira de Moisés e juiz, às vezes com superioridade e superficialidade, casos difíceis e famílias feridos nua.

Era sobre deixando claro que a Igreja é uma Igreja dos pobres em espírito e dos pecadores que buscam o perdão, e não simplesmente dos justos e santos, mas sim daqueles que são justos e santos precisamente quando se sentem pobres pecadores.

Era sobre a tentativa de abrir horizontes mais amplos, elevando-se acima teorias da conspiração e pontos de vista antolhos, de forma a defender e espalhar a liberdade dos filhos de Deus, e para transmitir a beleza da novidade cristã, às vezes incrustadas em uma linguagem que é arcaica ou simplesmente incompreensível.

No decurso deste Sínodo, as diversas opiniões que foram expressas livremente - e, às vezes, infelizmente, não em inteiramente bem-intencionado maneiras - certamente levou a um diálogo rico e animado; eles ofereceram uma imagem vívida de uma igreja que não simplesmente "endossar", mas chama a partir das fontes de suas águas vivas de fé para atualizar corações ressecados.

E - para além de questões dogmáticas claramente definidas pelo Magistério da Igreja - também vimos que o que parece normal para um bispo em um continente, é considerada estranha e quase escandaloso para um bispo de outra; o que é considerado uma violação de um direito em uma sociedade é uma regra evidente e inviolável em outro; o que para alguns é a liberdade de consciência é para os outros simplesmente confusão.

Queridos irmãos,

A experiência sínodo também fez-nos perceber melhor de que os verdadeiros defensores da doutrina não são aqueles que defendem sua carta, mas o seu espírito; Não idéias, mas as pessoas; não fórmulas, mas a gratuidade do amor e do perdão de Deus.

O primeiro dever da Igreja não é a mão para baixo condenações ou anátemas, mas para anunciar a misericórdia de Deus, para chamar à conversão, e para conduzir todos os homens e mulheres para a salvação no Senhor.

À luz de tudo isso, e graças a este tempo de graça que a Igreja tem experimentado na discussão da família, sentimo-nos mutuamente enriquecido. Muitos de nós já sentiu a ação do Espírito Santo, que é o verdadeiro protagonista e guia do sínodo. Para todos nós, a palavra "família" tem uma nova ressonância, tanto que a própria palavra já evoca a riqueza da vocação da família e a importância dos trabalhos do Sínodo.

Com efeito, para a igreja para celebrar o sínodo significa voltar ao nosso verdadeiro "caminhar juntos" para levar a todas as partes do mundo, a cada diocese, para cada comunidade e cada situação, à luz do Evangelho, o abraço do igreja e com o apoio da misericórdia de Deus.

Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!