Mais Antigos que apoiam o Alcorão no mundo afirmam que Muhammad Mudou textos já existentes - Olho Solitário
Navigation

Mais Antigos que apoiam o Alcorão no mundo afirmam que Muhammad Mudou textos já existentes

Alcorão, livro, escrituras, modificadas

Nova informação em torno a versão mais antiga descoberta por escrito do Alcorão, o texto sagrado islâmico, levou alguns estudiosos a acreditar que ele foi compilado para a primeira mesquita do Egito.

"É a descoberta mais importante que nunca para o mundo muçulmano", declarou Jamal bin Huwareib, diretor-gerente do Mohammed bin Rashid Al Maktoum Foundation, em um BBC News  relatório na quarta-feira.

A história diz respeito a fragmentos de 1.370 anos de idade do Alcorão mais antigo do mundo  descoberto pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido no início deste ano, que foi notícia internacional.

Pesquisadores como Huwareib estão reivindicando agora há evidências de que o trabalho escrito foi encomendado por Abu Bakr, um companheiro do profeta islâmico Maomé, por mais antiga mesquita do Egito, a Mesquita de Amr ibn al-As em Fustat.

Um fragmento de um manuscrito Alcorão é visto na biblioteca da Universidade de Birmingham na Grã-Bretanha 22 de julho de 2015. A referida universidade britânica na quarta-feira que fragmentos de um manuscrito Corão encontrado na biblioteca eram de um dos mais antigos exemplares sobreviventes do texto islâmico do mundo, possivelmente escrito por alguém que poderia ter conhecido o profeta islâmico Maomé. A datação por radiocarbono indica que os fólios pergaminho detidos pela Universidade de Birmingham, no centro de Inglaterra eram pelo menos 1.370 anos de idade, o que os tornaria uma das formas mais cedo escritos do livro sagrado islâmico na existência.

A reportagem da BBC observou que os acadêmicos foram capazes de determinar que o manuscrito Birmingham é uma correspondência exata de outros fragmentos do Alcorão realizada na Biblioteca Nacional da França, que são conhecidos por ter sido mantido na Mesquita de Amr ibn al-As.

Tem havido alguma controvérsia sobre a datação exata dos fragmentos de Birmingham, no entanto, com alguns estudiosos britânicos sugerindo que o trabalho escrito, na verdade, anterior à fundação do Islã por Maomé.

"Isso dá mais terreno para o que têm sido vistas periféricas da gênese do Alcorão, como que Maomé e seus primeiros seguidores usado um texto que já existia e em forma para caber sua própria agenda política e teológica, ao invés de Muhammad receber uma revelação de Céu ", Keith Pequeno de Biblioteca Bodleian de Oxford disse em agosto.

Mustafa Shah, da Universidade da Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres contestou a alegação, no entanto.

"Se qualquer coisa, o manuscrito consolidou contas tradicionais de origens do Alcorão", disse Shah.

Testes de radiocarbono é colocar a data do manuscrito em algum lugar entre 568 e 645, o que deixa a questão em debate - como a morte de Muhammad é gravado em 632.

David Thomas, professor do cristianismo e Islã da Universidade de Birmingham, sugeriu que é possível o autor do Alcorão mais velho poderia ter conhecido o profeta islâmico.

Huwareib, que visitou Birmingham para examinar o manuscrito, disse que acredita que Abu Bakr encomendou o Alcorão que os fragmentos pertencem.

"Esta versão, esta coleção, este manuscrito é a raiz do Islã, é a raiz do Alcorão", disse ele. "Esta será uma revolução em estudar o Islã".

Huwaireb acrescentou que a descoberta do "manuscrito inestimável" no Reino Unido, em vez de em um país muçulmano sugere que é um sinal de uma chamada para a tolerância entre as religiões.

"Precisamos respeitar uns aos outros, trabalham juntos, nós não precisamos de conflito", disse ele.

Thomas argumentou que a discussão e investigação continuará, no entanto, como acadêmicos procurará diminuir a possível data do manuscrito ainda mais.

Fonte: http://www.christianpost.com
Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!