Brasil: Michel Temer, um risco provisório enquanto se aguarda a remoção de Dilma Rousseff (Le Monde) - Olho Solitário
Navigation

Brasil: Michel Temer, um risco provisório enquanto se aguarda a remoção de Dilma Rousseff (Le Monde)

impeachment, golpe, Temer, democracia, Brasil

Sua comitiva estava pronto "para o sacrifício." Michel Temer, Vice-Presidente Dilma Rousseff, foi a instalação, de quinta-feira, 12 de maio de no Palácio do Planalto, em Brasília, no lugar de seu antigo aliado, para corrigir um Estado falhado. Assim decidiu senadores, que, na noite de quarta-feira para quinta-feira, aprovados os processo de impeachment ("demissão") do presidente, suspenso por 180 dias, o tempo de seu julgamento. O homem, um produto puro do sistema político brasileiro, um conhecedor de intriga parlamentar, descrito pela comitiva do presidente brasileiro como um "conspirador", de "traidor" e um "ejaculação precoce" que pensou o trono desde meses atrás, está prestes a chegar ao degrau mais alto do poder.

Um quase desconhecido na cabeça de um país em crise

Sua função é neste ponto que um presidente interino. Ele vai ter que esperar mais seis meses, talvez menos, e a votação final no Senado, na esperança de se tornar oficialmente presidente do Brasil. Mas sua consagração já está nas mentes de muitos dos observadores acreditam que nem Dilma Rousseff nem o Partido dos Trabalhadores (PT, esquerda) chega a virar a maré. Presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB, centro), Michel Temer não superou 3% dos votos.

É essa desconhecida do público, o filho de imigrantes libaneses maneiras delicadas, que encarna a esperança de acabar com a crise. Michel Temer sabe que ele herda uma situação dramática. O país está em uma recessão histórica (- 3,8% em 2015), o desemprego é o mais alto (10,2% no primeiro trimestre), a inflação (mais de 9%) enfraquece o poder de compra, as epidemias Zika e H1N1 são galopante e a rua está com raiva contra um mundo político atormentado por corrupção. Decisões de difíceis

Seus desafios são imensos, mas "Michel Temer tem uma vantagem. Ele tem um "voto de confiança '' dos mercados financeiros", observa André Nassif, professor de economia na Universidade Federal Fluminense. Evidenciado pelo aumento no mercado de ações e moeda para a abordagem do impeachment e mergulho quando essa perspectiva recuou.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados tem outro trunfo: seu amplo conhecimento do Congresso, seus protagonistas e as suas cenas. Perícia que foi extremamente carente de Dilma Rousseff, crucial para aceitar medidas impopulares.

O futuro presidente deve fazer o "trabalho sujo": redução da dívida pública e déficit orçamentário. "Michel Temer quer restaurar a credibilidade do país. Haverá cortes, uma redução de ministérios e gastos, menor investimento público. O país está num momento em que ele deve fazer sacrifícios. Michel Temer não vai ser popular no curto prazo, mas mais tarde, a história vai se lembrar ", diz sua comitiva.

por sua vez, liberal e sacrifícios anunciou

Quem foi companheiro de equipe duas vezes do candidato do Partido dos Trabalhadores (PT, esquerda) tem a intenção de operar uma viragem liberal para o Brasil, conhecida por seu protecionismo e burocracia, negócio território benevolente amigável com empresários e investidores. Para reabastecer os cofres do Estado, se trata de privatizações e concessões, a reforma das pensões, uma simplificação do sistema fiscal e uma redução drástica de uma medida social icónica do PT, o Bolsa Família ( "família Troca") pagos aos mais necessitados.
Sua equipe ainda não está completamente pronto, mas o nome de Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central durante os dois mandatos de Lula, como o ministro da economia, é avançado por alguns. Uma escolha consensual.

Tomar posse em um clima de desconfiança


O resto vai ser mais complicado. Mr. Temer é obrigada a distribuir ministérios para aqueles que contribuíram para a sua ascensão, às vezes, desafiando suas habilidades. Ele também enfrenta as primeiras resistências na diminuição do número de ministérios e levou aos empregadores o compromisso de São Paulo para não aumentar os impostos, uma promessa que parece insustentável. "No curto prazo, Michel Temer vai ficar bem. Pode estabilizar as coisas. Mas, no longo prazo, ele não projetar. Nenhum plano de re-industrializar o Brasil e desfazer sua dependência de matérias-primas, "Mr. Nassif.

Michel Temer é o homem para o trabalho? Será que ele capaz de conciliar uma sociedade que é rasgada ao iniciar o processo de impeachment? Em 75, três vezes presidente da Câmara dos Deputados, o futuro chefe de Estado pertence à política tanto dos brasileiros não quer mais. Um mundo em que o período entre o eu e os acordos com a lei. O vice-presidente si mesmo é provável que seja um pedido de impeachment, acusado de algum do alegado dano a Dilma Rousseff. Ele também é citado na pesquisa Lava Jato ( "Expresso Wash") desenterrou uma rede de corrupção alastrando combinando o grupo público Petrobras, as empresas de construção e os líderes políticos.

Fonte: http://www.lemonde.fr
Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!