Um Manuscrito misterioso descreve um mausoléu maliense esquecido no Brasil! - Olho Solitário
Navigation

Um Manuscrito misterioso descreve um mausoléu maliense esquecido no Brasil!

Manuscrito misterioso, descreve um mausoléu, no Brasil, Bahia

Há quase 300 anos, bandidos brasileiros tropeçavam em uma cidade arruinada. Foi um site tão intrigante que a cidade foi descrita em tinta. Este texto tornou-se conhecido como Manuscrito 512 - um documento cheio de mistério e lenda.

Em 'Mistérios da antiga América do Sul' Harold T. Williams publicou várias inscrições antigas encontradas no Brasil por bandidos portugueses. Alguns dos exemplos mais interessantes provêm do Manuscrito 512. Este manuscrito foi encontrado na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e foi escrito em 1753. Informa a descoberta de uma cidade arruinada de pedra e localizada no leste do Brasil.

Manuscrito 512 de Jason Colavito, 2014. (Autor fornecido)
O manuscrito 512 foi traduzido pela primeira vez e publicado no livro de Richard Burton 'The Highlands of Brazil' (Volume 2). Também foi traduzido por Wilkens e Jason Colavito. Embora Colavito acredite que o Manuscrito 512 é uma ficção histórica, as inscrições podem ser lidas no roteiro Vai e podem voltar às colônias malianas que anteriormente existiam no Brasil.

Colavito é um cético da possibilidade de ler o Manuscrito 512 por causa da tentativa de Barry Fell de traduzir o documento usando egípcio Ptolemaico. Esta tradução foi inaceitável porque os sinais brasileiros não se assemelham a nenhum sinal do roteiro egípcio.

Identificando Vai Script
Embora os símbolos do Manuscrito 512 não se assemelhem a hieróglifos egípcios, hieráticos ou scripts demoticais, eles são idênticos aos sinais encontrados no Vai Script. A maioria dos pesquisadores acredita que o roteiro Vai foi inventado em 1831. Mas eles estão errados, a escrita Vai tem uma origem antiga.

Em 1899, Maurice Delafosse, um antropólogo francês e administrador colonial, menciona que ele consultou muitos Vai alfabetizados que alegaram que o roteiro Vai era antigo. Esses informantes Vai também disseram que o sistema de escrita de Vai ainda estava sendo usado em montanhas ao norte. Delafosse não acreditou nessa afirmação, mas ele menciona o Vai afirmando uma origem antiga para a escrita de Vai.

Maurice Delafosse. ( Domínio público )

Os informantes mencionados por Delafosse estavam corretos. Muitas marcas como as contidas no roteiro Vai foram encontradas em montanhas em Oued Mertoutek, na Grotte de Goundaka e até no Sahara em Oued Mertoutek - que apontam para a antiga origem das inscrições de Vai.

Inscrições na Rota Chariot (topo) e Oued Mertoutek (inferior). (Autor fornecido)

Sinais de Malian / Vai no Brasil?

As inscrições no Manuscrito 512 foram encontradas em Piracicaba, Brasil. Essas inscrições foram escritas no roteiro Vai por colonos malienses. As inscrições malianas foram deixadas em áreas adequadas para a colonização.

Uma vez que um local seguro foi encontrado para colonização, os colonos malienses construíram cidades de pedra ou habitações de montes. Uma dessas cidades perdidas foi encontrada em 1753 AD por bandidos.

Wilkins informou que as inscrições foram encontradas gravadas sobre uma mausoleo no Estado da Bahia, no Brasil, pelo Padre Tellesde Menezes, em Marajo, perto dos rios Para-oacu e Una. Eles sugerem que a personagem enterrada no túmulo foi chamada Ba Kafe.

Exemplo de uma urna de enterro de Marajoara, Museu Americano de História Natural. ( Domínio público )
As inscrições sobre Manuscript 512 combinam inscrições Vai registradas por Delafosse. A maioria dos sinais de Malian / Vai no Manuscrito 512 eram sinais simples, mas outros eram sinais compostos compostos por dois ou mais sinais de Vai.


As Inscrições Malianas no Manuscrito 512

Abaixo vou discutir as inscrições malianas no Manuscrito 512. Vou usar as traduções de texto Colavito. Existem cinco seções do Manuscrito 512 que estão associadas às inscrições malianas. Vou citar o texto e depois traduzir os símbolos.

1. "Acima do pórtico principal na rua é uma figura elevada esculpida da mesma pedra e nua da cintura, coroada de laurel: representando uma pessoa de alguns anos, sem barba, com cinto sobre ele e uma roupa íntima aberta em Sua cintura; Sob o escudo desta figura, alguns caracteres foram parcialmente apagados pelo tempo, dos quais, no entanto, fizemos o seguinte:


Os símbolos sob o escudo de leitura da direita para a esquerda são: "A Na we fe ngè". Traduzido, a inscrição diz: "Ele é o herdeiro do trono".

2. "No leste desta catarata, encontramos vários poços subterrâneos e poços hediondos, e tentamos suas profundezas com muitas cordas; Mas, para todas as nossas tentativas, não conseguimos aprofundar suas profundezas. Também encontramos pedras quebradas, e na superfície da terra, derrubadas, de prata, como tiradas das minas, e abandonadas na época. Entre essas cavernas, vimos algumas cobertas com grandes lajes, e as seguintes figuras esculpidas na mesma pedra, o que sugere um grande mistério. Eles são":


Lendo os símbolos da direita para a esquerda, temos: Então, ta ba Kafe gyo gbe le. A tradução do texto é "Oferecer libações a este lugar para Ba Kafe, especialista culto em frente à entrada (da caverna)".

3. "Acima do pórtico do templo vimos além dessas formas da seguinte maneira:"


Lendo as inscrições acima do Portico, lemos da direita para a esquerda: Gbe fe-mu mbe yu I Kafe pe gbe ta fi gyo I se ta. A tradução é a seguinte: "O assunto favorável (do culto) no presente no sepulcro, ele Kafe pe (em um) lugar sem mácula, o sacerdote do culto faz o bem, este lugar".

4. "Longe da cidade sobre um tiro de canhão é um edifício como uma casa de campo, duzentos e cinquenta metros de diâmetro. Um entra por um grande pórtico, dentro do qual se levanta uma escada de pedra de várias cores, levando a uma grande câmara, e depois disso são quinze pequenos quartos, todos com portas para a dita grande câmara, e cada um tem por si só uma tromba ... .......... qual água reúne ........... no pátio exterior ............ colunatas em ........ .......... quadrado e formado à mão, pendurado com os seguintes caracteres: "


Esta inscrição é bastante interessante. Leitura da direita para a esquerda temos: Se kye gbe ku ma fo ma fe du. A tradução é "A propriedade Superior na zona de inundação do Governante, o enalendor do Mestre (da propriedade) é esculpido (aqui)".

4. "Suponhamos que, do nosso partido, uma de nossas empresas surgiu com um pretexto diferente ... ... ele pode, causando um grande mal a sua Honra, soltar sua pobreza e usar essas coisas excelentes para si mesmo, tomando medidas para pagar o índio , E prejudicar o seu propósito e, assim, levar a sua Honra a estes tesouros ......... Encontrarão nas entradas ........... lajes ......... "


As inscrições no Manuscrito 512 deixam claro que essa "cidade antiga" era uma mausoléu. As inscrições finais estão explicando que as cavernas eram  gbe Yu, "tumbas sem mácula", habitadas por elites. O sinal mais comum nas últimas inscrições, além de   yu', é  'gbe', 'puro, branco, claro, imaculado'.

Parece que o principal mausoléu era o de um governador ou rei chamado Kafe. As inscrições deixam claro que a cidade era uma cidade principal dos malianos - onde os cidadãos podiam fazer libações - e que as cavernas na vizinhança eram usadas como túmulos pelas elites governantes. As inscrições concordam com as descrições da cidade encontradas no Manuscrito 512. 

Túmulo de Askia - um edifício de lama no Mali. ( CC BY SA 3.0 )
Imagem superior: um mausoléu na região norte do Mali. (Missão da ONU no Mali / CC BY NC SA 2.0 ) Antecedentes: Detalhe do Manuscrito 512 de Jason Colavito 2014. (Autor fornecido)

Por  Clyde Winters

Referências:
Jason Colavito , Manuscrito 512: 18 th Century evidências de uma civilização perdida no Brasil. Http://www.jasoncolavito.com/manuscript-512.html
M. Delafosse, Vai leur langue e seu sistema de escrita, L'Anthropologie, 10 (1910).  Https://archive.org/details/rosettaproject_vai_multiple-1
Lambert, N. (1970). Medinet Sbat e o Protohistoire de Mauritanie Occidentale, Antiquites Africaines, 4, pp.15-62.
Lambert, N. L'apparition du cuivre dans les civilisations pré-históricas. Em CH Perrot et al Le Sol, a Parole et 'Ecrit (Paris: Societe Francaise d'Histoire d'Outre Mer) pp.213-226.
R. Mauny, Tableau Geographique do L'Ouest Afrique Noire. Histoire et Archeologie (Fayard);
Kea, RA (2004). Expansão e Contrações: Mudança Mundo-Histórico e Sistema Mundial do Sudão Ocidental (1200 / 1000BC-1200 / 1250A.D.) Journal of World-Systems Research, 3, pp. 723-816
Harold T. Williams, Mistérios da antiga América do Sul.
Clyde Winters, The Ancient Manding script. Em IV Sertima, ed. Os negros na ciência: antigo e moderno. New Brunswick, NJ: Transaction Books, 1986. https://www.academia.edu/1805542/The_Ancient_Manding_Script

Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!