Uma Escuridão diferente e mais profunda (Odin e Thursatru) - Olho Solitário
Navigation

Uma Escuridão diferente e mais profunda (Odin e Thursatru)

Odin, Deus do trovão, gnosticismo, religião

O gnosticismo, como quase todas as religiões desde o zoroastrismo, incluindo, claro, os abraâmicos, é dualista e, por definição, simplifica (e eu vou dizer, simplifica demais, nosso pensamento). A tendência de pensar nos negros versus os termos brancos, bons e malvados, uma vez que se enraíza em nós - nosso pensamento, percepção e sentimento - não é facilmente abandonado. Isso nos dá, como qualquer estudante de religião comparada conhece, um problema real quando tratamos o sistema de pensamento fora do que se tornou o paradigma "ocidental", como o hinduísmo ou as várias filosofias chinesas ou japonesas, ou mesmo o budismo - embora o O dualismo do pensamento ocidental é infeccioso e penetrou nesses sistemas.

[Sim, estou simplificando demais. Apenas toda digressão do pensamento ocidental ecoou nos sistemas védico e pós-védico que evoluíram para o hinduísmo. Mas tenha paciência comigo e, por favor, aceite minha justificativa de que, mesmo que esses sistemas abraçassem a dualidade, geralmente não era dualismo no sentido de que a escuridão estava unida a uma pejorativa, como no Tao. Tudo isso está além da minha tese atual - ou talvez não. Urse comigo.]

Desde que eu li e "revisei" o Myrkthursablot , fiquei imerso no estudo de lendas nórdicas e germânicas com vista para o lado negro. Lendo Myrkthursablot , fiquei fascinado (impressionado, repelido talvez) pela representação do autor do que parece ser o mainstream único do "Thursatru", a identificação de Ekortu de Odin como Demiurge! (e eu vou chamar o autor de Myrkthursablot Nate em oposição ao nome que ele adotou para o livro e eu assumir para a prática, principalmente porque eu sou preguiçoso e a fonte Norse é problemática).

Resumidamente, para aqueles que não estão familiarizados com o gnosticismo, a maioria das formas sustentam que Yahweh, o deus do "Antigo Testamento", é o demiurgo - um termo grego que se refere ao construtor do mundo conhecido, o universo material positivista - e não o deus original e verdadeiro, que é isso além do pensamento, do qual tudo emana. O mainstream do gnosticismo sustenta que nosso mundo - não só seus aspectos materiais, mas também seus planos de pensamento e emoções - são intrinsecamente doentios. Eles afirmam que o mundo material foi criado pelo Demiurgo para vincular nossa essência, nossa alma verdadeira, que emana diretamente, ou mais indiretamente, de Ain Soph - o incognoscível. Nosso objetivo, portanto, é escapar do mundo material, que não tem valor e para retornar a Deus.

Essa visão é menos atraente para mim, porque simplifica demais o problema do homem no mundo e o próprio mundo. Antes era a minha percepção, dentro dos limites da minha própria gnose, de que o próprio universo é bom - ou pelo menos não é mau - é o que é, sujeito às leis da natureza, que são suas próprias leis intrínsecas, que realmente é a sua própria "natureza" - é a sua essência. E que o que estamos vendo, com o atual estado de verdade, maligno deste mundo, é a sua destruição pelo que repetiu, chamado "Doença". Agora, existem formas "mais suaves" de gnosticismo, como o Valentinismo cristão, que sustentam que Yahweh é o demiurgo, mas que o demiurgo não é uma entidade doente, mas sim uma espécie de empreiteiro que trabalha para o Deus superior para construir o mundo. Estou mais inclinado ao sistema hindu das idades do mundo, Yugas.

Por favor, note que quase todos os sistemas que falam de idades do mundo insistem em que estamos vivendo no último e mais escuro - geralmente chamado de Kali Yuga. Não penso que seja necessário ou mesmo essencial acreditar nisso, entender o conceito maior de que a "história" é cíclica. O que quero dizer é que minha visão essencial tem sido por algum tempo, que o mundo não é mau, é simplesmente consumido por uma doença. Em nosso caso específico, atribuo nossa doença específica a algo que aconteceu em algum lugar há cerca de quatro mil anos atrás com a chegada do demônio que tomou para si o nome do deus tribal Yahweh. Ele tomou posse de uma tribo particular que se tornou conhecida como o hebraico, um povo particularmente inclinado a ser tão vulnerável, entrando com eles uma negociação faustiana.

Mas mesmo esta explicação simplifica demais - o cheiro de Yahweh realmente apenas comeu o Ocidente vivo. Houve diferentes processos, diferentes males acontecendo no Oriente, embora Yahweh certamente tenha sua mão nesses também. Mas tudo isso, independentemente de como é explicado, diferenciado e caracterizado, é muito longe de um mundo material malvado! E um mundo que é essencialmente - bem, não é bem "bom", mas orgânico - deixa-nos esperança de regeneração, uma vez que a doença correu, como parece que todos fazem.

Eu acrescentarei, brevemente, que a Doença de Yahweh não é a única que afetou o Homem, mesmo o Homem ocidental, dentro do alcance do nosso conhecimento, maior do que a nossa história, talvez. Por exemplo, acho que ler e escrever, talvez até a própria linguagem, são ferramentas que foram inventadas por ou para o Homem quando ele já havia perdido ou estava no processo de perder habilidades de pensamento e memória que anteriormente fazia essas ferramentas desnecessárias. Isso precisa de uma explicação adicional, espero, o que, espero, siga, mas não aqui. O argumento é que tudo isso é, obviamente, muito mais complexo do que é explicado pelos dualismos bom-contra-mal dos nossos sistemas atuais, incluindo o gnosticismo.

E incluindo Asatru e Thursatru!

ii

Eu sempre fui atraído pelo que eu sinto é uma escuridão abaixo da superfície das coisas. Não é a escuridão da doença, nem da depressão, que eu sempre senti como uma cor marrom turva, mas uma escuridão brilhante. Eu acho apoio e compreensão desse sentimento, essa percepção nos escritos de Ekortu (e representa seus escritos como parte em sua maior parte, tendo lido seu Gullveigarsbok e o segundo volume de Thursakingi , e agora está envolvido no primeiro). E também em Myrkthursablot , que me iniciou nesta jornada, é claro. A principal diferença nas cosmologias (ou melhor, as ontologias e a metafísica, como ambos os conjuntos de explicações por necessidade são anteriores ao "cosmos" e, de fato, mantêm visões opostas quanto à sua natureza. Para saber:

O sistema de Ekortu, caracterizado como o Jekatru principal, detém, com a ontologia que foi deduzida ou induzida de nossos remanescentes restantes do mito nórdico por autores como Edred Thorsson e seus predecessores, que nosso universo, nossa existência surgiu de Ginnungagap, Chaos primitivo, Quando primeiro, o Chaos se diferencia nos reinos de Fogo e Gelo - Musspellhemi e Niflheim. Então, da interação dessa polaridade surgiram rios gelados dos quais formaram o primeiro Gigante de Gelo, Ymir. Ymir, por si mesmo, deu à luz um homem e uma mulher sem nome, de algum tipo, a quem Ekortu afirma em Gullveigarsbokprovavelmente eram Loki e Gullveig, e de seus pés fazia um gigante que por sua vez deu à luz outro. Enquanto isso, também se formou, em uma linha paralela, a grande vaca Audhumbla, que lambeu de outro bloco de gelo, semelhante à da qual Ymir surgiu, uma essência semelhante a um homem chamada Buri, que por sua vez deu à luz a Burr, quem com outra gigante deu à luz Odin, Vili e Ve. Odin, Vili e Ve mataram Ymir e tornaram nosso mundo, nosso cosmos, de suas partes do corpo. Existe então, a linha de Ymir ou os Thurs, e a linha de Audhumbla e Buri, que levaram ao Aesir. E, indiretamente, para os homens.

Eu vou parar de reciclar uma mitologia nórdica aqui que certamente foi filtrada através de nossos processos de pensamento modernos - como começou por Snorri e seus colegas como Saxo Grammaticus que nos deu o que temos hoje desses contos. No entanto, vou notar que Odin, Vili e Ve também "criaram" o homem soprando mente, vontade e espírito em dois troncos - Ash e Embla.

Tenha em mente que Ekortu (Vexior) obviamente vem de uma linhagem de pensamento e praxis conhecida como satanismo anti-cósmico, que é uma forma de gnosticismo, e que ele trouxe com ele para o mito nórdico um dualismo que era estranho à sua natureza original . Para ser justo com Ekortu, cujo trabalho eu respeito imensamente, ele admite isso de forma bastante aberta - como ele admite que o Thursatru não é o renascimento de qualquer prática nórdica tradicional, mas algo novo, o que, creio, é mais honesto do que a posição do moderno Asatru! E em seu dualismo, Odin (a qual a versão de Snorri de posteriores mitos nórdicos como o Pai-Todo e o "rei" dos deuses) se torna o demiurgo. Ou seja, Odin e seus irmãos construíram os Nove Mundos para segurar a alma do homem - o que em si é uma emanação do mundo de Fogo e Gelo, de Ginnungap, como uma centelha de Musspelheim preservada pelo efeito gelado de Nifl - prisioneiro. E é nosso objetivo, ele diz, libertar nossas almas da nossa prisão doméstica branca e branca para retornar à liberdade do Caos.

Assim, o Thursatru de Ekortu nos encoraja a direcionar nossas devoções a Loki (em seu papel de Hrimthurs acósmico, bem como agente desonesto anti-cósmico entre os Aesir, que instigam Ragnarok) e a Gullveig e às várias malas de fogo e gelo, em vez disso do que, claro, para os Aesir que são deuses da falsa Luz Branca - que ele caracteriza lindamente como cega! Odin, como principal Aesir, basicamente se tornou a entidade do mal. Não vou confundir as coisas dizendo: o diabo.

É claro que o principal problema com este sistema, como observa Nate repetidamente em Myrkthursablot, é que essa caracterização de Odin trata unicamente de seu papel de "Allfather" (o que, provavelmente, não foi fabricado muito antes do tempo de Snorri e em reação ao cristianismo) e com o seu pequeno papel de construtor do mundo conhecido das partes do corpo do "assassinado" Ymir. Ele ignora o aspecto de Odin que me faz um Odinista (ou Wotanista, mas também é uma questão para outro). Nate tem o mesmo problema. E esse aspecto é Odin como o buscador da iluminação, do conhecimento - o Odin que se sacrifica a si mesmo em Yggrasil ou Irminsul ou alguma árvore sagrada por nove noites e que traz de volta as Runas. O Odin que dá o olho a Mimir para o conhecimento, e o Odin que traz de volta o hidromel mágico de poesia feito de Kvasir. Este é o Odin do poeta sombrio, do buscador do conhecimento da escuridão, que está tragicamente faltando do Thursatru de Ekortu. Na verdade, a diferença entre os sistemas é tão drástica por essas diferentes tomadas em Odin que estou impressionado com o fato de Nate ainda telefonar para o seu sistema Thursatru.

Odin não é um deus que eu adoro, mas aquele que eu imito. Meu objetivo é tornar-se Odin - procuro incorporar sua essência na minha prática espiritual. Ele é o modelo, o protótipo eo veículo para aqueles que iriam para baixo entre as malas e obter conhecimento. Ele é o único que sabe que é aí que está o conhecimento essencial.

iii

Thursatru aponta alguns buracos reais em Asatru que não tinham sido conscientes de mim antes de começar a estudá-lo. Alguns desses são provavelmente subjetivos para mim, mas acho que não estaria sozinho se eu declarar.

A primária é a luz branca, predominantemente a mão direita do mainstream Asatru. Pessoalmente, como tenho certeza de ter relatado mais de uma vez, cheguei à minha consciência atual após longos períodos de meditação sob os auspícios do Zen, durante os quais, depois que a realidade fabricada e o ego se separaram, e seus fragmentos foram saltitando como bola rolamentos em um piso de concreto, percebi o vazio. Para muitos, esse é o objetivo e o ponto final do Zen. Eu encontrei, é claro, repetindo essa experiência com freqüência, que eventualmente (felizmente!) Os rolamentos voltariam juntos, embora diferente, e que, quando eu deixaria o Zendo e iri para o mundo, meu Eu se tornou maior, diferente. E então, um dia, o ponto de inflexão chegou onde, uma vez que as bolas caíram e eu olhei para o Vazio, algo emergiu atrás do vazio. E, por trás dessa luz cegadora, havia formas escuras. Havia algo por trás de nada. E eu tomei estes para formas verdadeiras. E disso veio meu estudo das fontes nórdicas e germânicas da minha identidade, e daqueles que eu percebi como deuses do meu povo, e o que me levou rapidamente a Asatru.

Tenho sido membro da Asatru Folk Assembly desde 2009 e, embora minha participação tenha flutuado e sempre foi francamente marginal, nos últimos dois anos participei de um de seus eventos anuais. Fui membro da Rune Gild e, como tal, conheci e conheci, de forma muito limitada, Stephen McNallen e Edred Thorsson. Os seus papéis, é claro, em seus ensinamentos e organizações, foram bastante distintos. Ambos professores enfatizaram que Odin realmente tem um aspecto mais escuro que não pode ser ignorado. Edred caracterizou o Thursatru como satanismo essencialmente nórdico (com o qual eu acho que Ekortu não concordaria) e afirmou que Odin tem toda a escuridão que precisamos. E acho que ele tem um ponto.

No entanto, o impulso de Asatru sempre foi como uma religião da Luz Branca, apesar de sua freqüente associação com os contextos Black Sun, Wotanist, Esotérico e especialmente ariosóficos. É aqui que começamos a encontrar um pouco de paradoxo. A AFA, por exemplo, e a maioria dos outros defensores do Folkish Asatru enfatizaram a prioridade da família, do povo e da comunidade, consistente em retratar sua fé como uma identidade étnica e sangue. Tudo está bem, bom e apropriado, mas onde deixa os aspectos esotéricos? Mesmo que reconciliemos o guerreiro com o homem da família, e achamos que ele dentro do contexto nórdico é um e o mesmo, onde está o profeta, o vidente e o Shaman? Normalmente, em Asatru, seithr é relegado para as mulheres (conforme Loki no Lokasena ), galdré para todos e uttaseta  (meditação sp? sentada) é mal mencionada).

Como Nate, e acho que Edred, concordaria e ambos deixaram claro, Odin tem que buscar um lugar para as Runas; Ele não os faz, mas sim os recupera. Nate em Myrkthursablot deixa claro que eles devem vir dos seres mais velhos e primitivos - os jejs. O Thursatru de Ekortu concorda com isso, mas minimiza ou evita o papel de Odin como retriever. Eu pessoalmente acho que provavelmente existem vários Odins; isto é, deuses múltiplos ou seres meta-humanos foram agravados, no Lore, no ser que conhecemos como Odin, pelas forças da história ou pela morte do pensamento trazida por Javé e seu cristianismo.

Deixando de lado a identidade e o envolvimento do Vanir em qualquer um destes, torna-se claro, mesmo dos textos nórdicos que temos, expostos e esclarecidos pela Thursatru, que os seres primordiais, conhecidos como jez são repositórios de conhecimentos mais antigos e profundos do que os de Aesir. Odin, que parece ser parte de Qui e parte de Aesir, é o único capaz de superar a lacuna. Não tenho muito interesse no Aesir que não Odin. Por outro lado, considero que o culto de Thurses é perigoso, na melhor das hipóteses.

Há, evidentemente, a ameaça óbvia, para alguém familiarizado com qualquer tipo de magia, de invocar o Caos. Invocar Loki, apesar de sua relativa aproximação é suficientemente perigosa, pensa-se! Mas há uma questão mais profunda, e isso vai para a natureza do caos e da escuridão das malas.

Todos nós somos seres biológicos, e mesmo além do nosso estado físico, o sistema nórdico, como comumente proposto, tem um complexo de alma bastante sofisticado. Tudo isso implica organização, o que é antitético ao Caos. Mesmo a existência das treinas, como seres, não importa quão metafóricas tomemos a sua antropomorfização, é necessário um alto nível de complexidade. Convidar o Caos, como humano, envolve ou convida uma interrupção maciça, não só da função biológica, mas também de níveis mais profundos de organização que desafiariam ou destruíriam nossa existência em todos os níveis - ou pelo menos de qualquer forma em que seríamos reconhecíveis. Invocar o Caos é convidar a morte. Os profissionais de relações anti-cósmicas estão realmente prontos para isso? Mesmo que eles se encontrem ainda em existência - mesmo que as faíscas que são sua essência pré-cósmica voe para a eternidade ou retornem a Musspellheim - eles estariam, a um nível humano, desaparecidos. Estas não são forças que eu invocaria antes do ponto em que eu procuraria a morte física. E quem realmente quer sua vida - o seuhaminja, seu hamr ? interrompido, mesmo antes disso?

Parece-me que deve haver níveis de organização - White Light, Aesir, existência positiva, cosmos - separados por Caos ou interrupção - nigredo, thurses, anticosmos levando ao acosmos. Tanto quanto vi aqueles mais profundos, mais reais, emergindo de trás do nada depois do zazen, deve haver entidades que surjam através do caos, mas que têm seu próprio nível de organização mais profundo. Há segredos e verdades a serem encontradas lá, com certeza, e esta é a tarefa de Odin, ou o Odin interior daqueles de nós que têm essa compulsão. Mas eu acho que poderia ser, que o que é procurado não vem do Caos, mas através dele - de um nível ou ordem mais profunda do que nós na nossa forma humana temos a capacidade de conhecer.

Isso nos traz de volta à questão de como lidar com aparente dualidade ou dualismo no contexto de uma ontologia em que a realidade é ciclos, camadas. E como isso se manifesta em nossas vidas diárias, em nossa prática espiritual e no mundo real?

iv

A primeira coisa proibida em qualquer manobra ou processo de Asatru - ou, pelo menos, em uma mancha AFA ou sumbel, que é sobre tudo o que eu vi - é uma invocação de Loki ou as malas. Penso que seria fácil, para um Asatruar normal, ver a dissolução que aflige o nosso mundo agora - os filhos de Yahweh, as parcelas judias, a destruição do demiurgo, Antifa, terroristas muçulmanos, homossexuais e feministas radicais e o genocídio branco - como agentes ou manifestações, ou obras, de Loki. E em um nível mais profundo de energia de Thursic. Mas acho que há uma diferenciação a ser feita aqui, e só posso dizer-lhe como eu faço para mim.

Todas essas coisas acima (embora eu não compartilhe o que parece ser as crenças Folkish Asatru padrão em todos eles - mais uma questão a ser reservada para discussão), eu vejo ser sintomas da Doença de Yahweh. Isto é, como eu disse, uma doença que, de fato, pode destruir o mundo inteiro, mas é na sua origem específica para o nosso tempo e espaço e história bastante recente. Eu vi isso descrito como "mal cinza", o fracasso dos homens; Preferiria caracterizá-lo como escuridão marrom. É uma Doença sobre a realidade cósmica, não embaixo dela. Eu apoio totalmente os esforços de Asatruaar e dos Tradicionais em geral para vencê-lo. No entanto, em algum momento, devemos abordar o falso fundo do cosmos, a natureza dependente das forças da Luz Branca sobre o seu substrato mais jovem de Quiian.

Eu abordaria a escuridão a que me sinto atraído pessoalmente, como um brilhante. Odin in é um papel como o vagabundo escuro vive e prospera a esse nível. A existência da Luz Branca de Asgard e Midgard é frágil. É propenso a doenças. Tem falhas. Muito como devemos atribuir e lidar com grande parte da vulnerabilidade da raça branca, falhou como é neste ponto, para o genocídio branco, para nossa própria susceptibilidade aparentemente intrínseca a uma espécie de cegueira suicida; também devemos perceber que todo nosso nível de existência cósmica é propenso a doenças. E que a solução está em uma exploração odinica da escuridão brilhante abaixo dela. E da manifestação de verdades mais profundas, essências mais profundas e mais profundas que surgirão através dessa aparente escuridão uma vez que removemos a cegueira da Luz Branca.

v

Eu acrescentarei, quase como uma nota de rodapé: se eu fosse trinta anos mais novo, se eu fosse pai e progenitor de uma família; Se eu fosse um líder da comunidade, ou de qualquer forma mais envolvido com a sociedade do que eu, eu poderia sentir diferente sobre a minha aversão nesse ponto para a Luz Branca, e de fato para a Asatru em geral. Como é, eu sou um solitário que prefere ficar assim, em sua maior parte. Eu tento permanecer aberto para ter minha mente mudada nisso ... mas como nosso mundo presente se deteriora, degenera, chega ao fim diante de meus olhos, parece que os bons haviam perdido. Eu aplaudo os valentes esforços de vocês que lutam, embora eu sinta que perdemos a batalha final em 1945, se não antes. Eu entendo por que aqueles de vocês que têm compromissos mais profundos continuarão lutando.

No entanto, uma coisa que eu compartilharia com os chamados "Hitleristas Esotéricos" (um termo que nunca gostei, apesar da minha eterna devoção a Miguel Serrano e Savitri Devi) é uma convicção (que parece ir e vir com eles, como as forças aparentes de preto e branco só parecem alternar em nosso tempo manifesto) que a única saída se através de Lucifer (não Satanás!), Venus, ao Sol Negro atrás do Golden One, ao Thunderbolt Verde. Para retornar somente quando o corpo do vajra vermelho estiver completo, na próxima Era de Ouro, para ser verdadeiramente Individuado. E até então viver em uma Negra Negra que vem das profundezas do Eu.

Para escorregar a porta lateral entre a vida e a morte. Às vezes parece que a única saída, é através de ...

Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!