Va-Va-Vandal: A Vida e os Tempos de Gaiseric, o Rei Vandal do Norte da África - Olho Solitário
Navigation

Va-Va-Vandal: A Vida e os Tempos de Gaiseric, o Rei Vandal do Norte da África

Rei, Vandal, Africa, história

Conheça um dos mais importantes reis da Antiguidade tardia que você nunca ouviu falar: Gaiseric (também conhecido como Genseric), um retalhista germânico que transformou suas afiliações tribais em um domínio maciço no século V dC.

Nos 4º e 5º séculos, esses Roma poderiam considerar que "os bárbaros" nos séculos anteriores eram, de fato, uma atitude mais romana do que os próprios romanos. Muitas vezes, guerreiros de descendência germânica ou gaulesa se tornaram importantes funcionários no ataque militar romano. Por exemplo, Stilicho, filho de um soldado do Vandal, subiu rapidamente as fileiras depois de servir no guarda-costas imperial. Ele se casou com a família real e se tornou a magistrada milícia utriusque, mestre de infantaria e cavalaria (também conhecido como o general mais importante nas forças romanas); no processo, ele lutou com os seus próprios Vandals, Alans, Goths e muito mais.

Reconstrução de pessoas de vandalismo no Museu Arqueológico de Cracóvia, na Polônia. ( CC BY SA 3.0 )

Uma Onda de Invasões

No início do século V, uma onda de invasões desses mesmos grupos golpeados nos portões de Roma. Cinco anos antes, Alaric, o visigodo, despediu Roma em 410, um rei gótico chamado Radagaisus quase chegou tão longe, invadindo grande parte da Itália. Nas próximas décadas, Goths, Suevi, Vandals, Alani e outras pessoas espalharam sua influência militar, destacada pelo cruzamento do Reno em 406, uma migração em massa para o oeste. Um dos homens que atravessaram o Reno era um principado de Vandal chamado Godegisel, um membro do clã Hasding, que morreu em batalha contra Roma pouco depois.

"The Sack of Rome" em 410. Por Évariste-Vital Luminais. ( Domínio público )

Felizmente para Godegisel, seus filhos mantiveram o manto da realeza vivo. O filho de Godegisel, Gunderic, unificou os vândalos e Alani e conquistou o sul de Espanha em 422. Mas Gunderic morreu durante o saque de Sevilha em 428 e seu irmãozinho Gaiseric chegou ao poder; Ele estabeleceu a regra de que o homem mais velho da família, em vez de um filho de idade menor, tomaria o trono. Assim, mesmo após a morte de Gaiseric, o reinado saltou em torno de um pouco de relativo ao relativo.

Arian Gaiseric recebeu um pouco de mau rap de cronistas católicos, mas, na verdade, ele era um monarca épico. Como Gaiseric se parece? Jordanes afirmou que ele era um "homem de altura moderada e coxo em conseqüência de uma queda de seu cavalo". Na verdade, Gaiseric era um homem de poucas palavras e muita ação. Ele manteve "o luxo no desdém, era furioso em sua raiva, ganancioso por ganhar, perspicaz em conquistar os bárbaros e habilidoso em semear as sementes da dissensão para provocar inimizade." Muito real!

Siliqua do Rei Vandal Gaiseric, cerca de 400 dC. ( Domínio público )

Na verdade, Gaiseric não apenas concentrou seus esforços na Europa Ocidental, mas em áreas que sofriam de organização central fraca e, portanto, estavam maduros para a conquista. Nesse caso, isso significava o norte da África. Gaiseric e milhares de seus homens invadiram, supostamente por convite de um funcionário chamado Conde Bonifácio que queria ajuda contra Roma. Em 429, Gaiseric foi para a África com 80 mil homens e começou a conquistar terras para Bonifácio. Ele então virou Bonifácio e tomou o poder para si mesmo em 430 antes de derrotar os exércitos imperiais.

Em 431, sitiou a cidade de Hipona, sede do famoso Santo Agostinho, que morreu nesse mesmo conflito. De acordo com o antigo escritor Procopius, Gaiseric destruiu os muros de cada cidade, exceto Carthage, para desencorajar rebeliões nativas ou cerco imperial. Para completar, Gaiseric fez um tratado com as autoridades romanas, e levou Carthage em 439 em desafio direto ao seu acordo com o Imperador Valentiniano III. Um novo tratado em 442 elevou a própria reputação de Gaiseric até o ponto em que ele foi reconhecido como mestre da África Proconsular, Numidia e Byzacena (Tunísia moderna).

O primeiro retrato conhecido de Santo Agostinho. Roma, Itália. ( Domínio público )

Um líder no mar e na terra, Gaiseric não se contentou em manter a África. Como mestre de Carthage, ele tinha um porto a partir do qual suas frotas poderiam causar estragos em todo o Mediterrâneo. Gaiseric capturou a Sardenha, a Córsega e as Ilhas Baleares, avançou na Sicília, aproveitou a maior parte do Peloponeso da Grécia, fez como Alaric e demitiu Roma em 455 (saqueando por duas semanas consecutivas, depois de supostamente invadir em nome da esposa de Valentiniano) e vencer o Forças imperiais enviadas contra ele por Roma, uma e outra vez (duas vezes apenas nos 460). Entre suas guerras, incursões e os enormes impostos que ele impôs sobre os nobres nativos, ele deixou manter suas terras, Gaiseric ficou rico; Ele manteve seus homens felizes também, ao proibir as terras de propriedade do Vandal da tributação, disse Procopius.

O Papa Leão Magno tenta persuadir Genseric, príncipe dos Vândalos, a abster-se de despedir Roma. (miniatura até 1475). ( Domínio público )

Uma vitória final

A última vitória de Gaiseric contra Roma veio contra o imperador oriental Leo I, que enviou todas as forças disponíveis contra os vândalos, mas perdeu. Ancestralmente longa vida para um monarca de sua época, Gaiseric manteve o poder por quase cinquenta anos, reinando até sua morte em 477. Os vândalos, liderados pela dinastia de Gaiseric, continuaram a manter o poder na África do Norte até o imperador bizantino assumir uma cem anos depois.

Mas Gaiseric não era toda conquista e derramamento de sangue. Sua vida pessoal também foi um pouco duvida. Seu filho mais velho estava casado com Eudocia, filha do imperador romano ocidental Valentiniano III. O relacionamento Valentiniano-Gaisérico nem sempre foi suave. Quando ele pegou Roma, Gaiseric capturou a esposa de Valentiniano, Eudocia (em nome de quem ele alegou ter invadido, um detalhe específico para apenas um cronista), e seus dois filhos - Eudocia e Placidia - e tirou todo o ouro, para o qual ele enviou para casa Cartago. Gaiseric até despediu o famoso templo de Júpiter Capitolinus e rasgou o seu telhado, que era feito de bronze coberto de ouro, segundo Procopius. Foi depois disso, aparentemente, que ele prometeu Eudocia ao filho Huneric.

Em troca da partida, Gaiseric pagou tributo de grãos a Valentiniano e enviou Huneric a Roma como um refém real. Gaiseric recuperou seu filho e saiu, forjando uma forte amizade entre Roma e os Vândalos, de acordo com o antigo cronista Procopius. Mas ele ainda jogou política de poder com os imperadores do leste e do oeste, mesmo tentando obter seus próprios candidatos no trono sempre que possível.

Moeda de Hunter. ( Domínio público )

Mas, no momento em que Hunter se comprometeu, ele já estava casado com a filha de Theoderid, o rei dos visigodos. De acordo com o antigo cronista Jordanes, Gaiseric suspeitava que sua nora estava tentando envenená-lo; Como resultado, "ele cortou o nariz e mutilou seus ouvidos. Ele a enviou de volta a seu pai na Gália assim despojado de seus encantos naturais. "Theoderid estava compreensivelmente furioso com esse tratamento; na tentativa de distrair seu ex-lei de retaliação, Gaiseric subornou Attila Hun para lutar contra os visigodos, pelo menos na mente de Jordanes.

"Invasão dos bárbaros" ou "Os hunos se aproximando de Roma", de Ulpiano Checa. ( Domínio público )

Imagem superior: 'Sack of Rome' de Karl Briullov. (1833-1836) na Galeria Tretyakov, em Moscou. Esta pintura mostra o rei do Vandal, Gaiseric, despedindo Roma. Fonte: domínio público

Por: Carly Silver

Bibliografia

Claridge, Amanda. Roma : um Guia Arqueológico de Oxford . 2 nd ed. Nova York: Oxford University Press, 2010. Online.
Conant, Jonathan. Permanecendo Romano: Conquista e Identidade na África e no Mediterrâneo, 439-700. Nova York: Cambridge University Press, 2012. Online.
Frassetto, Michael. Enciclopédia da Europa bárbara: sociedade em transformação . Denver, CO: ABC-CLIO, 2003. Online.
Friell, Gerard e Stephen Williams. A Roma, que não caiu: A Sobrevivência do Oriente no século V . Nova York: Routledge, 1998. Online.
"Gaiseric". A Enciclopédia Britânica. Conectados.
Grierson, Philip e Mark Blackburn. Coinage medieval medieval. Volume 1. Nova York: Cambridge University Press, 1986. Online .
Jordanes. A História Gótica . Traduzido por Charles Christopher Mierow. Princeton, NJ: Oxford University Press, 1915. Online.
Kleinhenz, Christopher, ed. Itália medieval: uma enciclopédia. Nova York: Routledge, 2004. Online.
Kulikowski, Michael. "The Western Kingdoms". O Oxford Handbook of Late Antiquity . Ed. Scott Fitzgerald Johnson. Nova York: Oxford University Press, 2002. 31-59. Conectados.
Mackay, Christopher S. Roma antiga: uma história militar e política . Nova York: Cambridge University Press, 2004. Online.
Meijer, Fik. Os imperadores não morrem na cama . Nova York: Routledge, 2004. Online.
Merrills, Andrew e Richard Miles. Os vândalos . Malden, MA: Wiley-Blackwell, 2010. Online.
Potter, David. Theodora: atriz, imperatriz, santo . Nova York: Oxford University Press, 2015. Online.
Procopius. Guerra vandálica . Traduzido por Henry Bronson Dewing. Vols. 3 e 4. Nova York: GP Putnam's Sons, 1915. Online.
Pryor, John. "The Mediterranean Breaks Up: 500-1000." O Mediterrâneo na História . Ed. David Abulafia. Londres: Tamisa e Hudson, 2003. 155-182. Conectados.
Sarris, Peter. Império da fé: a queda de Roma ao surgimento do islamismo, 500-700 . Nova York: Oxford University Press, 2011. Online.
Ward, Allen M., Fritz M. Heichelheim e Cedric A. Yeo. Uma História do povo romano . 6 th ed. Nova York: Routledge, 2016. Online.
Wolfram, Herwig. O Império Romano e seus Povos Germânicos . Traduzido por Thomas Dunlap. Los Angeles, CA: University of California Press, 1997. Online.

Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!