DESMASCARANDO O FALSO DEMIURGO (RESUMO DE UMA ONTOLOGIA) - Olho Solitário
Navigation

DESMASCARANDO O FALSO DEMIURGO (RESUMO DE UMA ONTOLOGIA)

demiurgo, conceito, gnósticos, reflexão

O conceito de "Demiurge falso" é reconhecidamente isca, já que a maioria das pessoas familiarizadas com o conceito de Demiurgo, especialmente como aplicado pelos gnósticos e seus derivados, reconhecerá que o próprio Demiurgo, como comumente concebido, é apenas um deus falso. Então, como podemos ser enganados por uma falsificação de uma falsificação? É uma pergunta com uma base de truques.

Deixe-me primeiro declarar que trabalhei na classificação dos fios do gnóstico, do acosmic e do anti-cósmico por algum tempo, e este é um resumo. Minha alternativa era colocar o objeto em pedaços ou aguardar e escrever um livro, ambos exigindo uma espécie de disciplina e principalmente um período de tempo que não está disponível para mim agora. Então, deixe-me apresentar este resumo primeiro e, em seguida, elaborar mais tarde, espero, em pedaços.

Não é que as ontologias existentes não sejam suficientemente complexas ou complexas! Muito longe do contrário. Na verdade, a maioria dos sistemas que encontrei com base no gnosticismo são tão complexos que não consigo pensar que alguém no mundo moderno, de qualquer forma envolvido com esse mundo, exceto perifericamente, como uma espécie de praticante ocultista ou eremita extremamente engenhoso , poderia praticá-los conforme escrito. Honestamente, quando leio os elaborados ritos desses sistemas, tenho que pensar que as práticas externas descritas são, na maioria dos casos, metáforas materiais para o funcionamento interno. Somente o designer ou praticantes raros e bem sucedidos saberiam, e a maioria dessas pessoas não está falando.

Não, o problema é que as versões desses sistemas que me atraem, quer falta o último elemento de resolução para o mundo moderno, ou requerem aceitação de premissas fundamentais que me parecem falsas no nível mais intuitivo. Então vamos resolver isso.

Primeiro, quem é o Demiurgo? As origens não são apenas pré-cristãs e gnósticas, mas pré-socráticas; O Demiurge foi inicialmente concebido simplesmente como o construtor do mundo, não o deus monoteísta. O termo tornou-se, a meu ver, corrompido pelos gnósticos e por aqueles que os seguiram, porque conceberam o mundo criado como algo maligno. Portanto, se você está lendo Miguel Serrano ou qualquer um dos satanás anti-cósmicos modernos, ou mesmo o Thursatru (que apenas apresenta um paralelo cultural e equipara Odin e seus irmãos Vili e Ve ao invés de Jeová ou Ialdoboath como o Demiurgo) Re apresentado com o Demiurgo como um deus criador que fez uma coisa maligna conhecida como o Mundo, em que todos nós vivemos.

Essa é a versão moderna do gnosticismo e dos satanismos que fazem sentido ou têm algum valor espiritual. Os outros - Satanismo LaVeyan, o Templo de Satanás, etc. - não valem a pena falar como qualquer forma de filosofia, exceto política. O problema que eu tenho com todos esses sistemas é que eles exigem que a existência material, ou pelo menos nossa presente, seja vista como intrínseca e inseparavelmente má. Isso simplesmente não me parece bem. A proposta de que a existência, em um mundo de forma, deve ser má, parece intuitivamente falsa, e eu, pelo menos, não posso seguir adiante com uma filosofia ou sistemas que mandam essa proposição como uma crença fundamental. No entanto, tenho aprendido muito com esses sistemas, o que, penso, pode ser aplicado de forma mais "construtiva" - descontando a definição baseada materialmente desse termo em si,

De qualquer forma, o que faz mais sentido e me sente melhor (e sim, isso é essencial e importante, esse sentimento), está mais próximo da seita aquiticamente cristã conhecida como valentianismo. O valentianismo propôs que o Demiurgo - que deve, para ser fiel ao seu nome, ser visto como o criador deste mundo material em que vivemos, ser visto como seu próprio criador, ou pelo menos, seu formador e não como pretendente dessa realização - não era malvado. Ele era, em vez disso, uma emanação do Divino, mas parcial, não completo nem perfeito, já que nenhum componente de tudo pode fingir ser. Como tal, sua criação, este mundo - ou melhor, esse sistema de mundos, este Universo - não era mau, mas também falho. E não só era / é falho e imperfeito, mas como tal também estava sujeito a corrupção.

E aqui é onde minha proposta toma um turno e desce um buraco de coelho onde o valentianismo não vai - ou pelo menos não a versão com a qual eu sou familiar, e se eu estiver errado e há tal exposição, espero que alguém leve isso à luz, eu não sendo um estudioso definitivo de, bem, muito de qualquer coisa. Eu diria que o mundo imperfeito está sujeito à corrupção, provavelmente foi corrompido e passado o ponto de destruição muitas vezes, em muitos casos e em muitos lugares, as manifestações dessa corrupção e destruição são, em sua maioria, desconhecidas por nós da destruição do conhecimento e dos seus meios de transmissão pelo próprio processo de corrupção, ou pela simples falta de acesso original - separação no tempo e no espaço. Para os limites e a multiplicidade dos mundos, enquanto mais do que interessantes por mérito próprio,

O que sabemos é que não há menos de três mil anos, um demônio, uma entidade meta-humana, surgiu e se enraizou entre as percepções de algumas pessoas perto do que pode ter sido um dos vários centros da população humana naquele momento, em o que é conhecido como o Oriente Médio. E ele tomou o nome de Javé, ou as formas imprevistas, que provavelmente não eram mais do que um deus tribal entre alguns desses povos. E a nova entidade, o falso Yahweh, que é a origem ou uma forma mais virulenta do que eu escrevi repetidamente sobre como a Doença, espalhada, sem as restrições das entidades que vieram antes dele. E neste dia e idade, ele está quase conquistando tudo, e está pronto para conquistar o mundo. Mas ele é um demônio parasita; e tendo conquistado tudo, ele não será capaz de governar ou apoiar esse mundo, não sendo sua verdadeira criatura. Nem ele seria capaz de destruir na totalidade sua materialidade, mas ele poderia, de fato, deixar atrás dele uma concha dizimada, o cadáver da entidade hospedeira.

Então, para esclarecer. Por um momento, eu vi a Árvore do Mundo, a Árvore da Vida da Qabalah como o melhor mapa para as emanações do verdadeiro Divino. Atualmente, estou estudando o Qliphoth, como a Árvore do Conhecimento ou da Morte, em suas formas miríades, como oposição, e mais disso depois. Neste sistema, que deve ser intrinsecamente não-pré-judaico, acho que está contido o mapa mais preciso, completo e sofisticado da realidade. No entanto, a criação do mundo material, incorporado em Malkuth, seja ou não a "queda da graça" ou a Queda de Daath, a criação do Abismo, como uma aberração, é simplesmente o fluxo de Ain Soph, à medida que apareceu. Vivemos em um dos muitos mundos possíveis, sob um dos vários conjuntos possíveis de leis. Posso elaborar mais sobre isso mais tarde; o paralelo na expressão da ciência moderna pode ser visto na arbitrariedade, a escolha da variância que deve ter ocorrido nas primeiras pequenas frações de "segundos" (durante o qual o "Tempo" em si foi formado e suas leis articuladas) após o Grande Bang, que deve ter sido um em uma série.

Assim, uma entidade consciente - e eu implico a consciência no criador da existência da consciência na criação - fez deste mundo. Ele não conseguiu perfeitamente, seja por intenção ou, ou não. Eu considero que foi feito imperfeito como um campo de teste para nós, aqueles de nós que contêm as faíscas da luz negra divina em nosso sangue dourado. Um lugar para nos desenvolver, um lugar para "Pathei-Mathos". É essa entidade que melhor seria vista como o verdadeiro Demiurgo. Pois ele próprio foi formado. Eu deixo para mais tarde a questão de saber se havia um criador final, ou para parafrasear o mito budista, é "Demiurges todo o caminho para baixo".

Então veio o demônio do deserto, que roubou o nome de Javé, que se tornou conhecido pelos gnósticos como Ialdaboath. Mas ele nunca teve um Deus criador. Ele nunca foi nada além de um parasita, que reivindicou como primeira vítima uma tribo sem virilidade em seu sangue, que provavelmente era uma presa fraca e fácil. E, alimentando-se deles, tornou-se mais forte. E assim ele espalhou suas pragas - como o cristianismo, como o Islã, como o humanismo ... eventualmente deixando o cristianismo, por exemplo, como uma casca, uma concha sem força, uma forma passada da doença. E a doença muda e evolui, enquanto os aspectos do mundo que são saudáveis ​​morrem.

Deus> Demiurge> Demon. Uma progressão de degeneração de entidades abrangendo sistemas mundiais, cada entidade reivindicando ser ambas ou cada uma das primeiras, já que a capacidade de discernimento de suas vítimas cresce menos com cada dia que passa.

Muito da minha convicção quanto à minha proposta vem da minha intuição de que o mundo em si não é maligno, mas defeituoso, e contém muito do bem dentro dele, incluindo a "bondade" inerente à natureza do não manifestado preso no próprio manifesto, fluindo para baixo através do Sephiroth. Ou seja, a bondade no próprio material, não apenas nas faíscas de luz prendidas. Isso contribui para a minha empatia com todos aqueles que tentam preservar o bem, embora no momento seus esforços parecem condenados. Escreverei logo a minha decisão difícil de não poder mais me alinhar com os que estão lutando - no eco talvez desafortunado de Savitri Devi, do Hegelian - Against Time. Se minhas circunstâncias fossem diferentes, eu me alinharia mais forte com essas forças, com quem eu simpatizo tanto. Contudo,

Por isso, o Falso Demiurgo. O deus criador falhou em si mesmo, o que deixou espaço para essa entidade demoníaca, anteriormente conhecida como Yahweh, agora conhecida como História, para roubar sua identidade. Resta para cada um de nós que percebemos isso, decidir por nós mesmos em que nível lutar. Nós, como meus nobres aryanos e asatruaar e NSDAP-nostálgicos fazem, lutam para trazer de volta a Era de Ouro, que ocorreu mais recentemente, embora em um ambiente mais curto e mais obscurecido do que a maioria conhece? Ou podemos dar um passo atrás, permitir que essa civilização seja destruída, e esperar como sobreviventes à margem, recuar, pegar as peças e reconstruir?

Ou aguardamos, como fazem os anti-cosméticos, uma verdadeira destruição dessa realidade arbitrária - que, independentemente de conter um pouco de essência divina ou fogo negro, é uma construção original, foi corrompida além da salvação por quem tem adotou fraudulentamente os nomes do Demiurgo e do Criador "Deus" ("quem" é realmente muito além dessa palavra ou concepção limitante!)?

Por um lado, penso que o Caos que se encontra fora da criação, é apenas o Caos do nosso ponto de vista da percepção limitada - que do Caos aparente pode ter um nascimento ilimitado, tanto em termos de formas múltiplas quanto em eventual perfeição. Eu acredito que aqueles de nós que têm a centelha, têm a centelha da perfeição que não só é capaz, mas merece uma eventual "encarnação", em uma "forma" até agora além do que agora pensamos como corpos, de modo a ser inconcebível. Mas, por enquanto, as palavras falham, e eu direto para suas próprias reflexões.

Share

Lúcio Soares

Gosto de pesquisar sobre variados assuntos e principalmente aqueles que a grande mídia não divulga. Desde o inicio com o Blog Olho Solitário tenho aprendido muito e sei que na busca da verdade não estamos sozinhos.

O que achou? Comente aqui:

0 comentários:

Aqui você é livre para comentar. Obrigado pela visita!